20 | Carta para a Pessoa que Mais te Partiu o Coração

O conteúdo desse post foi kibado diretamente da listinha de Desafio de 30 Cartas que vi no blog da Shana (www) e da Nat, que eu peguei de intrometida, mas nem por isso vou deixar de creditar. Acredito que o desafio consistia em postar uma carta por dia, mas eu não ia ter paciência tempo para isso tudo. Nesse caso vou pegar só alguns tópicos mais interessantes (creio que 4 no máximo) e postar aqui pra vocês, hm? Tudo bem profundo, direto do meu kokoro, como vocês gostam.




Querida I.

Eu não sou uma pessoa que gosta de chorar. Costumeiramente, eu fico com raiva imediatamente após começar à chorar, mesmo quando é de felicidade. Já arranhei meu rosto com as unhas mais de uma vez pela brutalidade com a qual eu costumo secar minhas lágrimas. De vez em quando eu paro para pensar quando foi que eu fiquei com tanto ódio de chorar, principalmente quando estou triste, e eu sinto que meu cérebro transcende quando faço essa reflexão - pois os motivos são como uma teia, onde o centro é você. Juro, eu não queria que as coisas fossem assim, e as vezes me pergunto se você não pensa o mesmo.

Tudo começou naquela noite, lembra? Em que tudo aconteceu. Em que você chegou na minha casa e me humilhou da pior forma possível, me culpou de coisas que eu nem sabia ser culpada, me fez me sentir a pior pessoa do universo. "Você vai acabar matando sua mãe", é a única frase que eu lembro desse dia, pois minha primeira reação depois da briga começar foi correr para o meu quarto, tapar meus ouvidos e chorar em silêncio. Durou uma noite, uma madrugada e a manhã seguinte. Tirei zero na prova daquela manhã. Chorei o resto daquele dia.

Todos nós estávamos mal, mas você precisava encontrar um responsável, um culpado por aquela situação. E você acabou me escolhendo.

Será que você sabia o quanto eu estava exausta, exaurida naquela semana? Eu não dormia direito, estava engordando cada vez mais, minhas notas caíam sem parar e não tinha uma única válvula de escape para mim - mas minhas preocupações com os estudos sempre foram qualquer coisa pra você, não é?

Deixar de existir. Eu cheguei à cogitar isso naquela semana - pois acredite, eu me considerava um estorvo muito antes de você vir e verbalizar isso. O seu papel nessa história foi dizer, em alto e bom som, tudo o que eu mais temia assumir.

Mas sabe o que é pior? Eu gostava muito de você. Eu ia tomar café na sua casa com muito gosto, ia fazer visitas em plenas seis da manhã só para te fazer feliz, te ajudava com seus terços de Dia das Crianças, e agora tenho que lidar com esse futuro em que vivemos hoje. Você e eu convivemos em plena falsidade, e quem disser o contrário no mínimo é cego. A única pessoa que se preocupa com você é sua filha, e sua filha é a única pessoa que me preocupa na nossa enrusga. 

Ela também me magoou naquela noite, quando viu você me pintando como Judas e não disse um "A" pra me defender. No entanto, ela eu consegui perdoar. Você, assumo com tristeza, nunca consegui, e temo nunca conseguir. Eu choro só de lembrar das poucas coisas que captei, que não consegui impedir meus ouvidos de ouvir, e quando eu choro, eu fico com raiva.

Eu tenho pena de você, no entanto. Hoje compreendo sua história, o que faz você ser do jeito que é, e há mais paciência no meu coração hoje para pensar sobre o ocorrido. Já fazem quatro anos, não é mesmo? Sei que a vida é curta demais para que eu perca tempo acumulando rancor.

Se é assim, então porque escrevo essa carta? Talvez porque eu queira me convencer de que você não me afeta mais. As vezes a gente precisa disso.

E também, os últimos tempos tem me preocupado, pois você está no grupo de risco, e eu não quero que você morra, de jeito nenhum, apesar de todo o descuido que você tem de andar por aí como se fosse mais um dia normal da semana. E não é por você, é por sua filha - a única pessoa nesse mundo que ainda se importa com você.

Desejando que você viva muito e com muita saúde,
L.

Indicando Mangás

E aí, moçada do bem? Tudo bom com vocês? Espero que sim. Estou digitando essa intro no exato momento em que faltam 15 minutos para sair o teaser do MV do Monsta X para o novo comeback, essa delícia que atende pelo nome de "Fantasia X", e que assim... Só quero, só vem. Se eu sobreviver, depois conto pra vocês. Outra atualização pouco interessante da vida de moi é que estou terminando a série principal de As Crônicas Vampirescas, galerinha! Rapaz, são dez livros dos quais já li sete num período de quatro meses, e não se enganem, eu não estou reclamando - afinal, aprendi muito sobre escrita me deliciando com os textos provocadores, cínicos, ácidos e sem dúvida nenhuma góticos da Anne Rice. Pretendo fazer um post solo para a série aqui para o blog, afinal essa conversa tem muita água pra rolar ainda, seja em aspectos positivos ou em aspectos negativos.

Aliás, tenho muita vontade de ressuscitar a minha tag de "The Books on the Table" fazendo posts solos para séries literárias e listas, nesse formato que vou testar hoje, para livros únicos. Se eu ver que tem futuro e se eu tiver coragem para desenvolver esse tipo de postagem, farei-lo-ei, afinal, literatura é algo que faz grande parte em minha vida e que eu gostaria de compartilhar mais com vocês leitores. Esses quase dois anos sem postar me deram uma bagagem interessante de assuntos pra falar, espero que gostem do que vem por aí <3

Inclusive, venho por meio dessa postagem, no dia de hoje, falar com vocês sobre alguns mangás que eu não vejo muita gente comentando por aí e que de alguma forma podem acrescentar à vocês. Vão ser meio que mini-resenhas de alguns títulos pouco comentados em suma, já que penso que um post solo de cada um iria ficar maçante de ler e de escrever. Vamos >>>

OBS. O teaser saiu, eu vi, surtei, fiquei no hype e minha concentração foi PRO ESPAÇO. Obrigada MX pelos mimos.